Histórico

Nestes 14 anos de existência, o PoliONU se consolidou como uma das mais importantes simulações da ONU no Brasil. Acesse cada ano abaixo e veja como foi a nossa trajetória.

O ano de 2018 foi marcado pelo sucesso da décima terceira edição do PoliONU, trazendo temas que urgem o debate e a participação de toda a comunidade internacional. Como sempre, o evento trouxe inovações para essa edição. Com a proposta de diminuir o gasto de papel nos dias de evento, cada delegado, juiz e jornalista recebeu um pendrive contendo os guias de estudo, contribuindo para uma simulação mais sustentável e ainda levando consigo uma lembrança mais duradoura dos quatro dias de evento.
Os doze comitês foram muito bem sucedidos, tendo a participação de mais de 600 delegados. Mantivemos o TPI como comitê jurídico e tivemos comitês diferentes dos usuais, como o Conselho Europeu, a Organização dos Estados Americanos, e a Conferência de Bandung.
Outro agradável momento foi a festa à fantasia, com o tema “Num futuro próximo...”, em que os participantes foram instigados a imaginar o futuro que queriam ou imaginavam e transformar a imaginação em fantasia. Contamos com uma decoração que tentou fazer o contraste entre as distopias e as utopias, criando um clima perfeito para a celebração dos participantes.
Carregar o legado de outras doze edições foi uma grande responsabilidade, especialmente pelo fato do PoliONU ser um evento que cresce e se inova a cada edição. Com isso em mente, temos a certeza de que o evento trará uma experiência memorável em sua décima quarta edição, em 2019.

A décima segunda edição do PoliONU, realizada do dia 15 ao dia 18 de junho de 2017, deu continuidade à tradição de sucesso e excelência do evento. Contando novamente com mais de 600 participantes, o PoliONU 2017 inovou em seu modo de inscrição, ao trocar o modelo de delegações pela inscrição individual, proporcionando mais liberdade de escolha aos delegados. Além disso, algumas mudanças feitas nos anos anteriores foram mantidas e melhoradas, como, por exemplo, o comitê em inglês e o comitê jurídico, que, em vez do CIJ, passou a ser o TPI, contando agora com a presença de outros participantes, como advogados e promotores. Outro destaque foi a festa, que teve a cultura brasileira como tema central. Nela, os delegados puderam homenagear o Brasil da forma que quiseram, por meio de suas fantasias. Dessa forma, o 12º PoliONU proporcionou uma experiência única aos delegados, além de apresentá-los ao mundo das simulações, dos debates e das relações internacionais, aliando a tradição do evento às inovações implantadas. O PoliONU é um evento que cresce anualmente – evoluiu de cem delegados e cinco comitês para seiscentos participantes, incluindo delegados, juízes e jornalistas, e doze comitês; e não cresceu apenas no número de pessoas, mas no de inovações também. É uma grande responsabilidade carregar o legado das organizações anteriores, todavia temos certeza de que os senhores terão uma experiência inesquecível em 2018 com todas as novidades da décima terceira edição do PoliONU.

Novamente, a maior simulação interna do Brasil concretizou-se com grande sucesso. A décima segunda edição do Polionu trouxe várias inovações, dentre elas o aumento do número de participantes, passando de 470 para 600 delegados. Além disso, a realização do Projeto Social e expansão do evento para 12 comitês marcaram de forma grandiosa a simulação, tornando-a memorável.

Com uma década de sucesso, o PoliONU manteve suas tradições e ao mesmo tempo superou muitas expectativas em sua décima edição: inscrições esgotadas em 13 minutos, recorde do número de delegados (cerca de 470), presença do embaixador Fausto Godoy na palestra de abertura, exposição do evento em duas redes de televisão e a participação de diversas escolas parceiras foram o resultado da intensa determinação de todos os organizadores. O décimo PoliONU também foi marcado pelo elegante Baile de Inverno e diversos brindes fornecidos pelos patrocinadores do evento, tornando-o uma edição icônica desses 10 anos.

A nona edição do PoliONU não pôde deixar de trazer amadurecimento e inovações logísticas e acadêmicas ao evento. Os comitês, que agora contavam com vídeos sobre a temática a ser debatida, deixaram de lado o estereótipo de “humanas” dado ao evento com a inclusão da OMS (Organização Mundial de Saúde). Junto com esta, fora criado o Comitê de Intervenções, no qual administrou-se a participação de figuras políticas e/ou importantes perante a temática de cada comitê, durante os debates em cada sala, visando deixar mais dinâmicas as discussões e mais interessante a experiência do delegado.

Seguindo sempre a lógica do crescimento, o PoliONU 2013 trouxe o primeiro comitê jurídico do evento: a Corte Internacional de Justiça. As inscrições se encerraram em menos de 24 horas, fazendo com que fosse necessário ampliar o número de vagas. Chegamos, assim, à marca histórica de 400 participantes, entre delegados e organização, distribuídos em dez comitês. Desse modo, o PoliONU pôde se afirmar como um evento importante não só para o Colégio Poliedro, mas sim para todo o Sistema de Ensino Poliedro, mantendo o cunho de maior simulação interna do Brasil.

O ano de 2012 foi de mudanças para o evento. Contamos com a presença de 350 alunos e oito comitês, e, pela primeira vez, com cento e dez alunos oriundos de escolas parceiras de outros municípios, como: Taubaté, Volta Redonda, São Paulo, Sorocaba, São Bernardo do Campo e Amparo. Novamente, foi necessário criar mais um comitê para englobar os interessados e, mesmo assim, formou-se uma lista de espera. Além disso, duas mudanças significativas foram implantadas: a criação de um grupo de imprensa forte, ainda mais preparado e unido, que contou com uma sala de equipamentos pronta para auxiliar os alunos; e um novo comitê, totalmente simulado em inglês, preparado por alunos da Unidade Parceira "Colégio Ábaco", de São Bernardo do Campo.

O PoliONU 2011 originalmente seria composto por seis comitês, mas o interesse por parte dos delegados foi tamanho que a Organização decidiu abrir mais um comitê e, ainda assim, houve lista de espera. Na sexta edição, o Colégio Juarez Wanderley foi convidado a participar pela primeira vez. O desempenho memorável dos envolvidos fez com que o evento se tornasse ainda mais rico e respeitado no âmbito acadêmico.

A edição de 2010 contou com aproximadamente 250 participantes, entre delegados e organização, e manteve a tradição de procurar sempre uma participação mais ampla das escolas parceiras. Como grande inovação do evento, o comitê de vídeo foi criado e superou as expectativas.

Em sua quarta edição, o evento manteve o número de 230 participantes e recebeu ainda mais escolas parceiras. O grande destaque do PoliONU 2009 foi o nível acadêmico: a elevada qualidade dos temas, das discussões e do material de estudo, além do forte preparo dos diretores, marcou o evento.

Buscando melhorar a qualidade e expandir o evento, o PoliONU 2008 aumentou o número de inscritos para 230, incluindo escolas parceiras do Sistema de Ensino Poliedro. A abertura do evento contou com um discurso proferido por Guy Brasseur, um dos ganhadores do Prêmio Nobel da Paz de 2007, que preparou e motivou ainda mais os delegados.

Com o sucesso da primeira edição, o PoliONU 2007 elevou a qualidade vista no ano anterior. O número de delegados aumentou para 180, distribuídos em seis comitês. As grandes inovações da segunda edição foram a criação da Sala de Política Externa (sala PEX) e da Central de Imprensa, que se mantêm até os dias atuais.

A primeira edição do PoliONU chegou com tudo: a inauguração do principal modelo de simulação estudantil no Brasil atingiu níveis de excelência em satisfação de delegados e patrocinadores, como também atraiu a atenção da mídia local, que fez questão de cobrir o evento. Contando com aproximadamente um quarto do número de delegados e a metade do número de comitês de sua décima edição, o primeiro PoliONU é o início de uma história de esforço, conquista, responsabilidade e, principalmente, amadurecimento de uma iniciativa que hoje classifica-se em âmbito nacional.